Meu patuá

(C.M. Casquinha, Cordão de Ouro, Cyprus)

Foi na Bahia que eu mandei fazer
Foi na Bahia que eu mandei preparar
Meu patuá, meu pai, meu patuá
Meu patuá para me proteger

Foi na Bahia que eu mandei fazer

Foi na Bahia que eu mandei preparar

Meu patuá, meu pai, meu patuá

Meu patuá para me proteger

Fui convidado pra uma roda de gingante
Com dois pandeiros e três berimbaus
E um atabaque tocando maneiro e sereno
É a roda que já vai começar

Foi na Bahia que eu mandei fazer

Foi na Bahia que eu mandei preparar

Meu patuá, meu pai, meu patuá

Meu patuá para me proteger

 

Era domingo, era um dia de oferendas
E eu levei flores pra Iemanjá
Fui celebrar Janaina, Rainha menina
Iemanjá que é a dona do mar

 

Foi na Bahia que eu mandei fazer

Foi na Bahia que eu mandei preparar

Meu patuá, meu pai, meu patuá

Meu patuá para me proteger

 

E na Bahia um mestre velho mandingueiro
Abriu a roda, fazendo uma louvação
Cantou bem forte o lamento
Me dando a benção
Era a hora de eu sair para jogar

Foi na Bahia que eu mandei fazer

Foi na Bahia que eu mandei preparar

Meu patuá, meu pai, meu patuá

Meu patuá para me proteger

 

Meu patuá é meu berimbau sagrado
É minha vida e também o meu cantar
É os meus amigos sorrindo
Sempre junto comigo, na volta que o mundo dá