Imbalança

(Luiz Gonzaga)

Óia a paia do coqueiro quando o vento dá,

Óia o tombo da jangada nas ondas do mar,

Óia o tombo da jangada nas ondas do mar,

Óia a paia do coqueiro quando o vento dá, 

 

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá

 

Pra você agüentar meu rojão
É preciso saber requebrar
Ter molejo nos pés e nas mãos
Ter no corpo o balanço do mar
Ser que nem carrapeta no chão
E virar foia seca no ar
Para quando escutar meu baião

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá

 

Você tem que viver no sertão
Pra na rede aprender a embalar,
Aprender a bater no pilão,
Na peneira aprender peneirar
Ver relampo no mei' dos trovão
Fazer cobra de fogo no ar
Para quando escutar meu baião

 

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá

Imbalança, imbalança, imbalançá